Sexo interracial entre melhores amigos

A relação entre o David e eu ganhou um ingrediente a mais depois que chupei-o pela primeira vez e aceitei ser uma de suas amantes. Era difícil controlar a ansiedade durante a semana. Quando meu amigo finalmente me ligou, o novo capítulo de safadeza no apartamento dele ficou marcado para o sábado, na parte da manhã, quando os pais e a irmã dele estariam fora. Na noite de sexta, depois de passar no cabelereiro, cheguei em casa e fui direto para o banho. Caprichei na depilação e tomei meu indispensável iogurte antes de dormir. Sonhei com o David, é lógico!

Acordei todo saltitante para o sexo anal mais emocionante da minha vida até então. Antes disso, fiz com muito carinho todos os preparativos. Meu cuzinho ficou limpinho e bem soltinho, graças ao meu querido plug. Passei hidratante por todo o corpo, perfume sexy no pescoço e gel no cabelo. Penteei deixando espetadinho na frente. Tudo para ficar bem bonitinho para o negrão dos meus sonhos. Coloquei minha cuequinha da sorte e vesti meu disfarce do dia a dia: camiseta, calça jeans, meias e tênis. Esperta, minha mãe logo notou a alegria em meu rosto: “Você vai ver seus amigos, é?”. Respondi que sim e saí rápido para evitar mais perguntas. Acho que ela já desconfiava.

No horário combinado, toquei a campainha e o David atendeu só de camisa e cueca, que era azul-escura e volumosa. Com discrição, para não chamar a atenção dos vizinhos, entrei e ele fechou a porta em seguida. Diferente das vezes em que ia visitá-lo para ver televisão ou jogar vídeo game, o David me recebeu com um beijoca no rosto e outra no cangote, segurando minha cintura. Um arrepio se espalhou rapidamente por todo o meu corpo. Naquele momento, percebi que não era mais o colega branquelo dele. Nos tornamos jovens amantes cheios de tesão, cada um ao seu estilo. Como um verdadeiro cavalheiro, ele pegou na minha mão e me conduziu para a sala. Havia uma garrafa de vinho e dois copos sobre a mesa, com uma música que eu mais gostava tocando de fundo. Me senti especial, pois não esperava por isso. Bebemos um pouco e pedi para ir ao banheiro. Lá, tirei toda a roupa, menos a camiseta preta. Dei um nó na parte da frente para deixa-la bem apertadinha, e levantei as mangas para cima. Estava pronto para ir de encontro ao meu príncipe negro, mas não sem antes dar aquela olhadinha básica no espelho para verificar se o bumbum estava OK.

O David já estava peladão sentado na beira da cama a minha espera, fazendo cara de safado. Que homem! Confesso que olhei primeiro para o pênis, que já estava
dilatado, só precisando de um boquete bem gostoso para ficar em ponto de bala. Não sei se era efeito do vinho ou se era o ambiente aconchegante, mas me sentia totalmente à vontade na frente do meu amigo-amante. Mordi o lábio inferior, coloquei o dedo mindinho na boca e sorri para o ele com olhar de desejo. Rebolando de perninhas juntinhas, dei uma giradinha sensual e mostrei minha bundinha branca para ele.

– Olha só que gatinho lindo. Vem cá para eu te fazer carinho.
– Miau, miau, miau.

Me agachei e fui engatinhando e miando até seus pés. O David me fez um cafuné e deu uma apertadinha na minha nádega esquerda.

– Bundinha fofinha.
– Ela é toda sua, David. Meu cuzinho quer fazer amor com você.
– Mas que veadinho sem vergonha! Oque aconteceu com aquela sua timidez da semana passada.
– Sei lá. A culpa é sua.
– É minha, né? Então vem mamar no meu pau, bichano.
– Miau.

Fiquei de joelhos, de frente com o brinquedão dele. Iniciei pelas bolas. Ele se inclinou para trás e abriu um pouco as pernas. Chupei uma de cada vez delicadamente, para não machucar. Minhas lambidinhas e beijinhos o estimulavam. As cócegas com a ponta da língua também, principalmente na parte de trás dos testículos. Sentia o pênis dele crescendo em minha mão direita. Passei os lábios e dei beijinhos naquele membro delicioso, até finalmente cair de boca. Sem forçar, para não desperdiçar sua energia no boquete. Mas o David empurrou minha cabeça para baixo e me fez engasgar. Ele adorava fazer isso, e eu gostava ainda mais.

– Pintão gostoso.

Falei com um largo sorriso nos lábios e voz de menina.

– Caramba, Ma! Não imaginava que você fosse uma putinha tão safada. Gosto disso.
– Eu sei.
– Seu cuzinho aguenta uma pica deste tamanho?
– Aguenta, sim. Quero te dar bastante prazer hoje.
– Então sobe na cama e fica de quatro para mim.
– Tá.

Segurei na cabeceira da cama com os braços esticados. Empinei a bundinha lá no alto, afastei os joelhos e enverguei o tronco para baixo, a fim de fazer minhas ancas se abrirem ao máximo. Nunca havia trepado com um negrão bem dotado antes, mas estava preparado para o que viria pela frente, ou melhor, por trás. O macho da casa usou suas mãos mágicas para abrir as nádegas macias de seu amante passivo. Depois da segunda tentativa, o pirulão dele foi deslizando gostoso dentro do meu cuzinho já lubrificado, e se acomodou deliciosamente. Senti-lo pulsando dentro de mim foi maravilhoso. As primeiras metidas foram lentas e suaves, o suficiente para me fazer emocionar.

– Doeu?
– Não. Pode me foder com tudo, David.
– Você gosta de rola de negrão?
– Adoro!
– Então toma, veadinho!

O tom dos meus gemidinhos foram mudando de intensidade. Não demorou muito e meu macho já me penetrava com a força de um cavalo garanhão. Começamos a suar. A janela fechada e o quadril dele batendo no meu bumbum só aumentavam o calor. Que rola grossa! O David apertava minha bunda e a mantinha bem aberta, deixando o meu cuzinho completamente entregue àquela tora negra, avantajada e avassaladora. O sofrimento inicial foi se tornando extremamente prazeroso com o tempo. Meu piu-piu balançava sem controle, e minha bundinha sem vergonha se excitava a cada tranco mais forte.

– Ai, que delícia! Me fode, Davidão! Me fode, me fode, me fode…

Quanto mais eu repetia com voz de putinha, mais ele despejava potência e afrouxava minhas pregas. Completamente apaixonadas, elas deliravam de prazer enquanto a rola grande do David invadia minhas entranhas intensa e profundamente. Estava quase esgotado naquela posição, mas me sustentava bravamente para satisfazê-lo. Quando os gemidos ficaram mais alto, ele parou. Meu coração e minha respiração estavam a mil por hora.

– Uau, David!
– Agora deita de bruços, gatinho.
– Tá bom, meu macho.

Arranquei minha camiseta, coloquei um travesseiro embaixo da barriga e deixei a bunda toda empinadinha para ele, segurando firme com uma mão em cada nádega. A pernocas ficaram ligeiramente flexionadas, os pezinhos se esticaram com os dedinhos dobrados para trás, e assim me tornei de vez a mulherzinha do David. Meu cuzinho já estava bem arrombadinho, com a marca registrada do pênis dele. Uma marca larga e profunda. O responsável por isso ainda usou a saliva que tinha acumulada na boca para mirar bem no meu buraquinho, que estava piscando de amor, e o cuspe atingiu o alvo em cheio.

– Uiii! Que gostoso!
– Quer mais rola no cu, veadinho?
– Quero muito!
– Espera só mais um pouquinho.

Meu amante sabia bem o que estava fazendo. Depois de enfiar o dedo indicador até o talo, ele repetiu a dose acrescendo o dedo médio à brincadeira, me deixando
prontinho para uma outra boa varada. O pintão do David entrou de primeira dessa vez, e meu ânus molhadinho foi facilmente preenchido. De cima para baixo, as
estocadas ficaram ainda mais gostosas. Que rola grande! Ela se esfregava deliciosamente por dentro do meu cuzinho guloso, que não doía mais como no começo. As mãos apoiadas em meus ombros me dominavam de maneira sublime. Com o pescoço levantado e a boca bem aberta, cada respiração minha emitia sons de crescente prazer: “Ah, aahh, aaahhh, aaaahhhh…”. De repente, ouviu-se naquele quarto abafado um chiado alto e intenso, como o rugido de um animal selvagem. Senti então o pênis grande dele latejando intensamente dentro de mim. O corpanzil suado de macho desabou em minhas costas, e a fera continuou metendo até se saciar por completo. Em êxtase, comecei a gozar sem parar no lençol do colchão, gemendo feito uma louca.

– Nossa, David! Que fodida maravilhosa!
– Você gostou, gatinho?
– Amei!!!

O pênis do David saiu de dentro de mim e ficou relaxando bem no vão da minha bundinha suada, entre minhas pernas, deitadão para baixo. Transbordávamos pelos poros, um em cima do outro. A barriga mexendo nas minhas costas e o respiro ofegante em minha orelha esquerda foram se acalmando aos poucos. Ele se ajeitou ao meu lado e começou a fazer um chamego na minha nuca. Também com o fôlego mais tranquilo, me virei para ele sorrindo de satisfação. Meus sonhos mais íntimos se realizaram naquela linda manhã de verão. Dei tudo de mim para o meu melhor amigo, que também gostou.

– Levanta, Marcelinho. Quero ver minha porra saindo do seu cuzinho lindo.

O safado me fazia derreter com sua voz gentil e carinhosa. Fiquei agachadinho de pernas abertas na cama, com a barriga dele entre meus pés. Quente, piscando e
ardente, meu cuzinho começou a expelir em grande quantidade um líquido bem gostoso, que foi caindo e formando uma roda densa e branca em volta do umbigo dele. Sempre disposto a me testar, o David molhou de esperma os dedos da mão direita e me mandou chupar. Obediente, chupei um por um, fazendo biquinho e olhando nos olhos do meu amorzão. Juntando o que havia sobrado do umbigo, o danado esfregou a mão em meu rosto suado e apertou minha mandíbula como forma de dominação.

– Duvido você beijar minha rola agora, putinha.
– Faço qualquer coisa por você.

Como ele fez por merecer um último prêmio, dei várias bitoquinhas e deslizei meus lábios de leve em seu pênis, que estava estiradão para o lado direito. O membro grande e viril mexia, mas não tinha mais forças. O David também havia dado tudo de si naquela cama quente e macia, que transpirava prazer. Deitei ao lado dele de conchinha e descansamos agarradinhos. Meu amante negro tirou um belo cochilo de macho, com o braço direito jogado em torno do meu peito. O cheiro de sexo dominava o aposento. Quietinho e sem me mover, aproveitei cada segundo com ele juntinho à mim.

Após ganhar outro beijinho na bochecha na saída, subi para o meu apartamento feliz da vida e escrevi cada detalhe daquela emocionante jornada amorosa em meu diário secreto, com vários coraçõezinhos desenhados de caneta vermelha a cada parágrafo.

3 comentários sobre “Sexo interracial entre melhores amigos

  1. Ola meu nome e diogo sou de sao paulo zona sul . amo mulheres loiras branquinha deve ser uma delicia tenho curiosidade de sair com uma mulher casada ou sair com mae e filha, sair com uma novinha tira uma virgindade. Obs sera que tem mae q transa com filhos ?
    Meu chama no zap 1194785-1246

  2. Amei o conto, eu adoro homens negros, são maravilhosos na cama, geralmente bem dotados, eu já tive um homem negro, adorava sentir aquele mastro todinho dentro do meu reto, só nunca tomei leite de macho, coisa que ainda quero. Sou um gauchinho de Porto Alegre, adoro homens maduros, sempre que me envolvi com machos fui mulher, e amante. Adoraria receber e-mail de homens, meu e-mail…[email protected], sou lisinho, apertadinho, muito dengozinha na cama com machos, fico gemendo e rebolando gostoso,

  3. A mais intensa sensação que senti até hoje….foi sentir o meu primeiro amante me tirando a virgindade, é algo impossível de descrever com palavras, depois que eu fiquei 9 anos com o meu Élio, ele foi maravilhoso comigo, me tratava muito bem, comprava calcinha, camisolinha transparente bem curtinha, baby dool, hobbby de cetim, eu adorava colocar o hobby e uma calcinha fio dental, ficar aconchegado no colo do Élio, trocando beijos intensos, eu amei muito este homem que me fez mulher pela primeira vez, depois tive outros homens, o João, o negro que me seduziu como narrei no comentário anterior, até hoje eu adoro usar uma calcinha bem atoladinha no meu ânus me sinto gostosa, tenho u, corpo bem feminino, cinturinha fina, coxas grossas lisinhas, bundinha bem desenhadinha, carnuda lisinha, sou uma mulher no corpo de um “homem” !!

Deixe um comentário

CAPTCHA




contos eróticos novinhoconto eroticocorno manso contoconto erotico tiocontos eróticos de traiçãocontos de sexo gayprimeira vez na casa de swingcontos reais eroticoscontos eróticos lésbicocontos eroticos empregadacontos eroticos com meninasconto incestocontos eroticos de gravidascontos de crossdresserconto erotico no onibuscontos eroticos por categoriacontos crossdressercontos eroticos reaisconto erotico gostosocontos eroticos ineditoscontos eroticos onibusrelato eroticoscontos eroticos novosrelatos eroticoscontos erotcoscontos eroticos esposaconto tiacontos de sexo gostosocontos euroticoscontos eroticos madrastacontos eroticos proibidoscasa do conto eroticotextos eróticoscontos eroticos maeforum eroticocontos eróticos por categoriacontos porno de incestoprimeira vez com travesticonto erotico primacdzinha contoscontos eroticos travesticontos eroticos professoraconto gay ultimocontos eroticos cunhadocontos insestonovos contos eroticoscontos eroticos de meninas novinhasconto erotico esposacontos eróticos no ônibuscontos eroticos chantagemconto erótico realcontos sobrinhocontos eroticos a forçacontos eroticos sobrinhacontos eróticos sogrocontos eroticos de corno mansoincesto eroticocontos eróticos swingcontos eroticos gay primoscontos eróticos categoriacontos eróticos de travesticontos eroticos incestoscontos eróticos 2018contos podolatriacontos eróticos reaiscontos eroticos onibus lotadoincesto eroticoconto erotico maecontos eroticos primasconto erotico 2018contos eroticos medicocomendo meu primocuzinho contosconto erorico