Ensinando a mãezinha os encantos da sodomia I

Meu pai era do tipo ciumento e vivia controlando minha mãe. Sempre que ela colocava uma roupa mais ousada, ele já dizia que ela estava procurando homem. Às vezes, até acusava ela de ter amante. Tudo porque ela gostava de frequentar a academia e manter um corpo sarado, mais por questão de saúde do que por vaidade.

Mas ela ficava muito sensual dentro de uma malha de ginástica, mesmo tendo 42 anos. Acho que era isso que meu pai tinha ciúmes, enquanto ele mesmo não se cuidava e tinha uma barriga de chopp.

Minha mãe era uma mulher muito atraente, loira e dona de um corpo escultural, coxas bem torneadas, bunda firminha e bem redondinha e arrebitada. Seus seios eram médios e ainda firmes e ela era bem simpática com todos. E isso acabava mexendo com a libido dos homens.

Nós costumávamos caminhar juntas todas as tardes pelas ruas. Quase sempre, ao passar perto dos homens, nós duas ouvíamos palavras de elogios, tipo “lindas”, “gostosas”, “tesão”. Enfim, palavras que deixam qualquer mulher em alto astral e de bem com a vida.

Minha mãe me disse que, quando tinham poucos anos de casados, o meu pai até gostava de saber dos elogios que ela ouvia. Mesmo depois de duas gravidez, minha mãe continuou se cuidando, e os elogios continuaram. Aí meu pai começou a sentir ciúmes. Depois dos filhos crescidos, ele não queria deixar mais ela sair sozinha na rua. Ele achava que ela o estava traindo e, aí começaram as brigas do casal.

Eu tinha muita dó da minha mãe, que sofria com aquele ciúme doentio. Mas eu confiava na minha mãe e sabia que ela nunca tinha traído meu pai nem em pensamento. Ela vivia pra ele. Muitas vezes tentei convencê-lo de que a minha mãe era fiel a ele, mas não conseguia fazê-lo me ouvir e eu o achava muito inseguro.

Depois de uma discussão às vésperas do carnaval, meu pai, que costumava pescar nesses feriados, tinha combinado com uns amigos e foi, levando meu irmão mais velho junto. Eles iriam passar os três dias. Minha mãe estava cabisbaixa e triste por que iria ficar sozinha. Fui perguntar pra ela o motivo e ela reclamou que meu pai só sabia ofendê-la e acusá-la de traição.

E, pra piorar, ele saia com os amigos quando queria, que ele reclamava mas ele mesmo não saía mais com ela, não dava atenção e não passeava mais. Ela continuou desabafando e, como éramos bem abertas uma com a outra, ela complementou que sexo era só de vez em quando, que já fazia quase um mês que ele não a procurava.

Ao ver a minha mãe naquela situação eu tive uma brilhante idéia. Era sexta-feira, primeiro dia de carnaval e eu tinha marcado com uns amigos pra ir a um baile numa sociedade. Perguntei se ela queria ir comigo e ela me falou que iria atrapalhar, afinal, éramos jovens e ela já era coroa. No final falou que não iria.

Mas eu insisti e falei pra ela que ela não era velha coisa nenhuma, que ainda estava enxuta e tinha que aproveitar. Incentivei ela a ir e se divertir, afinal era carnaval. Ela acabou gostando da ideia após pensar um pouco.
– Vou me trocar de roupa então! – ela me falou e foi toda contente para o seu quarto.

– Não, mãe! Assim parece que você vai à igreja e não a um baile de carnaval! Tem que usar uma roupa mais adequada. Vamos! Vou ajudá-la a se aprontar! – falei quando minha mãe retornou e percebi que a roupa dela estava sóbria demais para o meu gosto.

Fui até o quarto dela, abri o guarda-roupas, mas não achei nada sexy. Resolvi que ela iria usar minhas roupas, porque temos mais ou menos o mesmo corpo.

Levei ela pro meu quarto e resolvi montar um visual ousado. Pequei uma mini-saia e uma blusa curta de malha.
– Veste isso aqui que vai ficar muito melhor! – eu disse a ela.

– Você ficou louca, Lúcia?!? Eu nunca vou vestir um negócio desses! Olha a minha idade! – ela relutou comigo para não vestir. Depois ela concordou.

Mas ela achou a mini-saia muito curta e não quis usar. Então peguei outra saia um pouco mais comprida, mas ainda ficava acima do joelho, mostrando parcialmente as coxas. Ela quis trocar.

– Mãe, é um baile de carnaval. Você não pode ir vestida que nem freira! – disse eu.

Ela acabou concordando com meu argumento. Dei uma ultima olhada no visual dela e peguei uma tanguinha fio dental e falei pra ela trocar.
– Não, Lúcia!! Não gosto de usar isso!! – ela falou rindo.
Então fui até a gaveta dela e peguei a calcinha menor que ela tinha. Ela tinha uma calcinha vermelha tipo biquíni asa delta, com rendas na barra, que ficou muito bem.

Mas eu ainda não estava satisfeita e queria deixá-la bem vamp.
– Tira o sutiã pra você bem sexy, mãe! – falei e ela não queria de jeito nenhum ir sem sutiã. Falei que queria ela parecendo uma irmã mais velha e não minha mãe, e ela acabou concordando.

Depois de muito trabalho, ela estava pronta. E do jeito que eu a produzi, ela ficou gatíssima, linda e maravilhosa.
– Lúcia, do jeito que seu pai é ciumento, se ele me ver assim ele me mata! – ela falou sorrindo.
– Mata nada, mãe! Ele vai é adorar ver a gata que ele tem em casa. – falei isso, já que eu precisava melhorar a sua alto estima, e falei pra ela que no baile eu iria apresentá-la como uma prima mais velha.

Pegamos um táxi e logo chegamos ao clube. Avistei dois amigos, que vieram nos cumprimentar e eu apresentei a minha mãe à eles.
– Essa é minha prima Suzana! – apresentei minha mãe a eles e trocamos beijinhos e abraços.
– Lúcia! Essa sua prima é uma gata! – um de meus amigos falou.

– Com todo o respeito! Além de gata é muito gostosa! Ela é tão bonita quanto você, Lúcia! – disse meu outro amigo, cheio de insinuações. Depois disso ele não se desgrudou mais dela durante a noite toda.

Claro que a minha mãe ficou orgulhosa com o elogio. Então eles nos convidaram para nos sentar em sua mesa. Aceitamos e nos sentamos e eles se sentaram um de cada lado de nós duas. A mamãe estava nervosa e ficava puxando a saia, para tampar as pernas, que estavam parcialmente à mostra. Ela só relaxou depois de tomar umas cervejinhas.

A música rolava solta e estávamos todos animados.
– Vamos dançar pessoal! – O Marcos disse e já me puxou pela mão e falou ao seu amigo – Eu danço com a Lúcia e você dança com a Suzana.
Saímos dançando, eu com o Marcos e a minha mãe com o Pedro.

Depois de várias músicas e várias voltas pelo salão, notei que a minha mãe e o Pedro não estavam mais dançando. Olhei para o lado e não os encontrei no salão. Mas fiquei na minha. Eu e o Marcos acabamos indo pra um cantinho escuro, onde ficamos num amasso muito gostoso.

Ele me beijava e acariciava meus seios e passava a mão nas minha coxas. Eu já estava queimando de desejos quando a minha mãe de repente apareceu. Notei que ela estava com a respiração ofegante e muito assustada. Ela me chamou para irmos ao banheiro. Entramos e ela já foi dizendo:
– Lúcia, pra não te atrapalhar eu vou pegar um taxi e vou pra casa!
– Por que, mãe? – perguntei curiosa.

– Esse seu amigo me meu o maior amasso! Ufaa!! Estou com as pernas mole! Preciso sair daqui agora.
– O que aconteceu? – perguntei à minha mãe.
– Ele me convidou para irmos dar uma volta lá fora, e fomos andando devagar e conversando, com ele segurando a minha mão. Quando chegamos numa pracinha ele me encostou no tronco de uma arvore e me beijou. Eu não devia mas acabei deixando. Depois de me beijar ele enfiou a mão nessa mini-blusa que você me deu e tirou meus seios pra fora! – minha mãe me disse, ainda trêmula.

– Lúcia, ele chupou meus seios, eu sem saber o que fazer fiquei imóvel. Então ele abaixou a minha calcinha e tentou me masturbar! Que loucura! Deixei ele lá e saí correndo. Tô apavorada! Por isso é melhor eu ir pra casa. – minha mãe completou.

Com toda a calma dei uma risada.
– Mãe, isso é normal, afinal, estamos num baile de carnaval e as pessoas vem pra se divertir! Mas me diga, uma coisa, você gostou?
– Sim, Lúcia! Foi gostosto sim. Fiquei excitada! Mas sou casada! Se seu pai descobre ele me mata. Eu quero ir embora senão seu amigo vai tentar de novo! – ela falou meio se jeito.

– Calma, mãe! Ainda é muito cedo! – eu disse a ela.
– Lúcia, é melhor eu ir! Você pode ficar! – ela disse toda apavorada – Se ele quiser me levar lá de novo, não sei o que fazer!

– Mãe, deixa de ser boba! Vai e se divirta, faz o que tiver vontade. Prometo que não vou dizer nada ao papai! Não é ele que vive desconfiado de você? Quem sabe depois deste carnaval ele tenha razão! Aproveita então que ele está fora e faça o que você tiver vontade. Você merece uma noite de felicidade e eu vou te apoiar!

– É, você tá certa filha! Hoje eu vou aproveitar tudo o que tenho direito!
– É isso ai, mãe! Quer dizer, é isso aí prima! – falei sorrindo – Vamos voltar pro salão que os rapazes estão nos esperando e eu quero beijar muito ainda.
Voltamos pro salão, tomamos mais algumas cervejas, voltamos a dançar. Logo percebi que o Pedro dava altos amassos na minha mãe e ela já estava toda alegre.

Era madrugada quando eles nos perguntaram se queríamos ir embora. Acho que minha mãe tinha pedido pra ir. Como eles estavam num carro só, então fomos todos juntos. Eu estava no banco da frente com o Marcos e mamãe estava no banco de trás com o Pedro, que ali mesmo começou a dar o maior amasso nela.
– Lúcia, essa sua prima é uma loucura! – o safado me falou.

Eu não podia dizer que era minha mãe. Logo o tarado enfiou a mão dentro da calcinha dela. Como ela estava um pouco bêbada, ela nem se deu conta do que estava acontecendo. O Marcos, vendo aquela cena não falou nada, se dirigiu ao motel mais próximo. Eu não podia falar nada, pois achei que a minha mãe iria ficar só nos abraços e beijos com o Pedro, mas agora ela teria que dar a buceta pra ele. E eu fui a culpada quando falei pra que ela se divertisse.

Chegamos ao motel e, como era carnaval, estava lotado. Só tinha um quarto para os quatro. Minha mãe já estava sem calcinha por baixo da saia e eu ainda de mini-saia e top que, ao entrar no quarto foi retirada rapidamente pelo Marcos. Foi só entrar e continuar o que já tinha começado no salão de baile. Minha mãe, que estava meio bêbada se soltou.

Eu nunca tinha visto minha mãe com tanto fogo. Olhei pro lado e já vi ela agachada fazendo o maior boquete pro Pedro, como se fosse uma bezerra faminta por leite. Isso me deixou muito excitada e de imediato eu fiz um sessenta e nove com o Marcos. Meu deus!!! Como eu estava taradinha!! Nem percebi o que estava acontecendo ao meu lado, com a minha mãe sendo comida pelo Pedro.

Ela rebolava, gemia, e às vezes urrava de tanto tesão. Percebi que ela tinha multi orgasmos, porque gozava sem parar no cacete do Pedro, enquanto eu estava sendo fodida pelo Marcos. Era uma foda muito gostosa, mas nada se comparava com a minha mãe. Que eu saiba, ela nunca tinha dado pra outro a não ser meu pai. Ela estava no país das maravilhas com aquela tora enfiada dentro dela.

Confesso que eu estava excitada ao ver minha mãe também sendo comida por outro. Que coisa isso da cabeça da gente! Não me aguentei de tanto tesão e gozei logo.
Em seguida o Pedro queria comer o cuzinho da mamãe, que estava regulando, dizendo que não, que era vulgar demais, etc.

Então, eu, como se não tivesse percebendo que ela estava regulando, me coloquei de quatro e falei pro Marcos.
– Vem, Marcos!!! Me come por trás, meu macho safado!! Vemmmmm!! – falei e ele não perdeu tempo. O tarado enfiou a vara no meu cuzinho, que já estava acostumado a levar pica.

Na verdade eu até gostava de sexo anal. Aliás, ao contrário de muitas mulheres, eu sempre gozava quando era penetrada por trás. Então, a mamãe, me vendo sendo enrabada, acabou cedendo o cuzinho pro Pedro. Até então eu não tinha percebido o tamanho da tora do Pedro. Meu deussss!!! Coitada da minha mãe, que nunca tinha dado o cuzinho e iria ter sua primeira vez bem dolorida.

Mas fazia parte do pacote, todo homem é tarado por um cuzinho. Então eu e mamãe passamos a ser enrabadas ao mesmo tempo. Percebi que o Pedro prensou ela embaixo dele contra a cama e começou a enfiar aquela tora nela. Ela, por sua vez, travou os dentes e deixou rolar. Não demorou muito e o corpo dela se acostumou com aquela vara.
– Fode, meu macho gostosoooo!! Fode esse cuzinho apertadinhooo!! – fiquei espantada ao perceber que minha mãe gritava como uma verdadeira puta.

Minha buceta chegava até a espumar de tanto que eu gozava vendo a minha mãe ao meu lado, gozando e sendo enrabada e bem dentro do espirito de carnaval. Em pouco tempo ninguém era de ninguém. Estávamos nos divertindo e gozando, levando pica em todos os nossos buracos, ora na boca, ora no cú, ora na buceta. Quando não estávamos fodendo ou sendo enrabadas, estávamos chupando.

Foi um troca-troca como eu nunca havia feito antes. Nem sozinha, ainda mais numa suruba com a minha própria mãe, que ficava olhando o cacete dos dois entrarem no meu cuzinho um por vez. Quando o Pedro socou o cacete no cú da minha mãe pela segunda vez, ela já não reclamou como da primeira vez e rebolou freneticamente, não sei se de dor ou de prazer, e gritava se deliciando e participando da farra.

Ela só caiu em si quando estávamos os quatros na banheira e ela sentada no cacete do Marcos e eu no do Pedro, cavalgando. Só então ela percebeu que estávamos com os parceiros trocados. Tomamos um banho e logo fomos pra cama de novo.
– Caramba, Lúcia!!! Essa sua prima é muito gostosa!! Além de fogosa. Você promete trazer ela de novo pra gente sair outras vezes? – O Pedro me falou cheio de gracinhas.

– Aproveita bem hoje porque não sei se ela poderá vir outro dia!! – eu falei rindo – Eu não contei, mas ela é casada e o marido é muito ciumento!
Quando falei que ela era casada, parece que ele ficou com mais tesão, e pegou minha mãe de novo, a jogou na cama e deu outra foda. Em seguida ele se deitou e minha mãe foi por cima.

– Ahhhhhhh!!! Que gostosooooooo!! – minha mãe disse quando ela colocou aquele cacete enorme na porta do seu cuzinho e sentou em cima. Quando a rôla dele atingiu o fundo do cú dela e ficou só as bolas pra fora, ela começou a rebolar novamente até que ele gozou de novo. Depois foi a vez do Marcos pegar a minha mãe e dar um chá de rôla nela. Minha mãe estava adorando aquela suruba e eu só olhando de fora.

– Lúcia!! Você é uma delícia, mas sua prima é muito gostosa também. Que cuzinho mais apertadinho e gostoso de comer! Fundo, apertado, quentinho!! Hummmmm!! – o Marcos falou metendo sem dó no rabinho da minha mãe.
– Também pudera, Marcos! Ela nunca deu ele antes. – respondi.

Metemos muito e, como já estávamos todos meio bêbados e com sono, adormecemos na mesma cama.
No dia seguinte, quando acordamos, começamos tudo de novo. Pau na boceta, pau no cú, pau na boca. Foi uma delicia!! O pior foi que a minha mãe, agora sóbria, estava adorando.

Ela queria continuar a festinha por tudo. Coitado do meu pai. De tão ciumento e de tanto destratar ela e falar tanto que ela era uma biscate, ela agora tinha se tornado minha companheira de balada. E agora ele tem uma biscate dentro de casa, porque, vou dar o maior apoio pra ela.

Convido meus leitores a visitar meu blog / onde encontrarão esses contos devidamente ilustrados. Obrigada
/>

1 comentário sobre “Ensinando a mãezinha os encantos da sodomia I

  1. Oi sou louco por casadas. Branquinha adoro um buceta rosada para deixa toda vermelhinha mais gosto de morena tambem rsrs Safadas se tiver afim de conversar. chama no zap mais por favor gente mulher nao curto homem 11 947841246

Deixe um comentário

CAPTCHA




contos eroticos lésbicasconto comendo a cunhadaconto pornôcontos eroticos safadosconto erótico de incestoconti eróticoconto erotico corno mansocontos de insestosconto erotico troca trocacontos eroticos bem safadosconto erotico reaiscontos eroticos primeira vezconto erotico esposacontos eróticos onlinecontos eroticos tia e sobrinhocontos eroticos incestoconto erotico maecontos eróticos traiçãohistoria eroticascomendo um cuzinhocontos eroticos com travestiscontos de encoxadascontos eroticos de lesbicascontos euroticoscontos eróticos vizinhacontos eroticos reaiscontos cuzinhogay contoscontos eroticos de gravidascontos eroticos crossdressercontos eróticos safadoscontos erotocoscontos eroticos de mae e filhocontos erpticoscontos pornôscontos eroticos no trabalhonovinhas contoscontos de sexo eroticoscontos erotico incestocontos de travestiscontos eroticos proibidoscontos eroticos sobrinhosexo com cunhadacontos eroticos filhocontos eroticos de encoxadascontos eroticos de sobrinhacontos eroicoscontos eroticos mãecontos eroticos novinhacontos eróticos de traiçãocontos eróticos de travesticontos eróticos netcontos eroticos esposaconto erotico ginecologistacontos erodicoscontoseroticos incestocontos crossdressercontos eroticos sogrocontos eroticos com velhosconto gay tiocontos eroticos travestiscontoseroticos gayscontos gay eroticocontos eroticos travesticintos eróticoshistorias eróticoscontos sexysites de contos eroticoscontos eróticocontos sobrinhacontos eriticoscontos eroticos sogracontos eroticos insestocontos eroticos incesto pai e filhacontos eroticos sexoxontos eroticoscontos gay 2018comendo um cuzinhocontos eroticocontos eroticos gayscontos pornocontos eróticos academiacoto eroticocontos eroticoscontis eroticoscontos de sexo eroticosconto erotico gayconto erotico travesticonto erotico lesbicaconto erotico insestocontos eroticos vizinha novinha